top of page

Alimentação x endometriose:

Saiba o que comer para amenizar os sintomas


Estudos demonstram que a dieta desempenha um papel importante no combate da inflamação e ajuda a equilibrar os níveis de estrogênio.


A doença provoca o crescimento do tecido ao redor do útero, causando dor crônica, inflamação e, em até 50% dos casos, podendo levar a mulher à infertilidade. Por ser um quadro relacionado a um desequilíbrio hormonal, a alimentação tem papel importante no seu controle. Alguns alimentos podem agravar os sintomas, enquanto outros podem amenizá-los.


Evidências científicas comprovam que os alimentos ingeridos e o estilo de vida podem influenciar em uma série de aspectos, inclusive no metabolismo das prostaglandinas, que atuam nos processos inflamatórios do corpo, no ciclo menstrual e na atividade do estrogênio.


O sedentarismo podem impactar na endometriose.


Alimentos ricos em vitamina B e ômega 3 são ideais para reduzir os sintomas e as dores causadas pela doença .


Já o álcool, a carne vermelha e as gorduras trans demonstraram um efeito amplificador, tanto no inchaço pélvico, quanto na dor crônica acarretados pela endometriose.


Em geral, recomenda-se às mulheres diagnosticadas manter uma alimentação balanceada e sem excesso de glúten, com ingestão de alimentos ricos em antioxidantes, propriedades anti-inflamatórias e com efeitos positivos no metabolismo de estrogênios e hormônios.


Sementes de girassol, nozes e linhaça, legumes como brócolis ou couve-flor, frutas como abacate, limão e mirtilos, e óleos de oliva e prímula são alguns deles. Esses alimentos estão presentes na dieta mediterrânea, que é um bom modelo a ser seguido.


Além das carnes vermelhas, gorduras trans e do álcool, evite fazer da sua alimentação base alimentos ultra processados, ricos em açúcares refinados.

Alimentos ricos em fibras podem ser um socorro.


O corpo se livra do excesso de estrogênio pelas fezes. Sem uma evacuação saudável todos os dias, provavelmente está constipada e os níveis de estrogênio podem estar muito altos, o que pode ser bastante prejudicial para quem tem endometriose.


Fonte: Setor de endometriose do Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo.


609 visualizações0 comentário

Comments

Rated 0 out of 5 stars.
No ratings yet

Add a rating
bottom of page